Edição 913

  • Estados Unidos, longe da independência energética

    altA independência energética dos Estados Unidos, que muitos acreditavam estar na esquina, atuou como um freio sobre o preço do petróleo, fez possíveis aquisições baratas de ativos petroleiros no exterior, desvalorizados diante das perspectivas abertas pelo relatório citado e se prestou a todo tipo de especulação. Mas agora a festa acabou.

  • USP: democratização versus privatização

    altOs últimos passos dados em direção da privatização, quais sejam, o sucateamento das contas e o reajuste zero, estão sendo impostos à comunidade uspiana, a qual se vê, literalmente, impelida à greve.

  • Fome de pão e justiça

    altOlivier De Schutter, relator da ONU para o direito à alimentação: faliu a “solução” da OMC: os países com mais poder de produção agrícola exportarem para os países com menos. A prática demonstrou que isso é mero neocolonialismo e elimina a agricultura familiar.

     

  • O paradoxo de Itaquera

    altA terceira copa em que o jornalismo me coloca pra trabalhar é aquela que eu sonhei um dia estar jogando, mas hoje minha principal relação com isso tudo é tentar entender a confusão criada pelo fato de a maior expressão já inventada pela espécie ter sido corrompida pela mais bem estruturada política de atuação agressiva e comercial.

     

  • São Paulo, abertura da Copa: 'Foi uma das manifestações mais violentamente reprimidas que já vi'

    altDois protestos haviam sido marcados para a manhã da abertura da Copa. Foi uma das manifestações mais violentamente reprimidas que já vi. E como a ação repressiva foi articulada pelo governo estadual e federal, podemos esperar aquele silêncio político que uniu petistas e tucanos na repressão ao MPL durante a luta contra o aumento das passagens em 2013.

     

  • A repressão da Polícia Militar na zona leste no dia da abertura da Copa do Mundo

    altNa zona leste de São Paulo, os preparativos para a inauguração do mundial do futebol se desenrolavam como uma grande festa. Enquanto isso, o direito básico de se manifestar foi impedido pelo Estado, através de exagerada repressão a qualquer tentativa de se manifestar. A Copa do Mundo não é para o povo.

     

  • Inicia-se um novo ciclo de lutas da classe trabalhadora brasileira?

    altEntrevista com o historiador Marcelo Badaró Mattos: Apesar de ainda não terem sido divulgados os dados oficiais sobre o número de greves ocorridas em 2013, a estimativa é de mais de 900 paralisações trabalhistas no Brasil nesse período.

  • Combate nas Trevas, de Jacob Gorender, há anos esgotado, é reeditado

    altNo ensejo do cinquentenário de 31 de março de 1964, uma mais do que oportuna reedição dessa obra, pelas editoras Expressão Popular e Fundação Perseu Abramo.

  • Copa & cozinha

    altA cozinha invade a Copa. Que o governo não troque as bolas pelas balas. Vamos torcer pelo Brasil! Para que vença a Copa e saiba ouvir o clamor da cozinha, cujos manifestantes, na falta de canais políticos, aprenderam que governo é que nem feijão, só funciona na panela de pressão.

     

  • Três eleições e uma farsa

    altTrês eleições presidenciais se realizaram nos últimos meses. O Ocidente saudou duas delas – na Ucrânia e no Egito – e condenou a eleição síria. Mais uma vez, usou os “padrões duplos” para condenar no adversário (Assad) o mesmo que os aliados (Poroshenko e Sissi) fizeram.

     

  • Plano Nacional de Educação ratifica política de privatização da educação

    altO governo aprovou o PNE sem ter passado sequer pela Conferência Nacional de Educação, organizada pelo próprio governo. É um plano que foi construído com o reforço da iniciativa privada, da bancada parlamentar das escolas particulares.

  • Formação e manipulação de expectativas econômicas e políticas na atualidade

    altDiante do quadro de certa reversão cíclica, o sistema de economia política dominante, pela voz das três candidaturas à eleição presidencial – Dilma, Aécio e Eduardo Campos –, muito pouco se diferencia relativamente às estratégias de futuro.

  • ‘Teremos duas Copas do Mundo: uma com as imagens bonitas da FIFA e outra tensa, das ruas’

    Inimigo de longa data da cartolagem nacional, com dezenas de processos sofridos na justiça, Kfouri foi uma das poucas vozes que se levantou contra a Copa em solo brasileiro desde o momento em que FIFA concedeu tal direito ao país.

  • Análise da corrupção

    altNossa sociedade deveria criar a “Comissão da Verdade Neoliberal”, pois tenho a desconfiança que o neoliberalismo matou e torturou mais brasileiros que o período da ditadura.

  • Classes e luta de classes: o PT e a esquerda na berlinda

    altUtilizando-se de argumentos típicos do período pré-1964, o coronel Boggo se aproxima rapidamente de sua conclusão máxima: o PT estaria, “na calada da noite, caminhando passo a passo no rumo de seus propósitos de 50 anos atrás: introduzir neste país um regime totalitário de inspiração cubana”.

  • As ilegalidades cometidas contra o direito de greve

    altO que tem havido na greve dos metroviários, juridicamente falando, é a negação do direito de greve tal qual insculpido na Constituição Federal.

  • Cronista da Folha é a super voz do 1%

    altO jornal diário de maior circulação no país menospreza seus leitores com comentários ufanistas e presunçosos do megaempresário Abílio Diniz sobre a Copa do Mundo.

  • A direita quer a copa

    altDiferente do que propaga a esquerda governista, a direita e a burguesia, tanto a que está com o governo como aquela que está contra o governo, querem a Copa. Anseiam pelo sucesso do evento, pois querem ganhar muito dinheiro com o mundial.