Edição 909

  • ‘Apesar da repressão policial bem aprimorada, manifestos populares vão prosseguir’

    altA Copa do Mundo no Brasil se aproxima e, junto com ela, vai aparecendo um sentimento popular generalizado de irritação e contrariedade com o evento. O Correio entrevistou Marina Mattar, porta-voz do Comitê Popular da Copa, por ocasião do Dia Internacional de Lutas Contra a Copa em São Paulo.

  • Cidadania constrangida

    altA operação desastrosa de privatização da Cia Energérica de Permambuco, a Celpe, trouxe enormes prejuízos à população pernambucana. Quer do ponto de vista financeiro, pelas tarifas exorbitantes que são cobradas, quer pelo tratamento de desprezo, de desrespeito que é dispensado ao consumidor.

  • Publicidade e crianças

    altPoucos se deram conta de que, a 4 de abril deste ano, a presidente Dilma assinou a Resolução 163/2014, do Conselho Nacional da Criança e do Adolescente (Conanda), que proíbe publicidade abusiva direcionada a crianças e adolescentes.

  • Por que os liberais acham que a sociedade merece ser estuprada?

    altA única coisa que um liberal consegue enxergar à frente do nariz são as necessidades de expansão e incremento do Capital. Tudo que se refira ao bem estar da espécie humana, principalmente se a criatura for um simples trabalhador ou trabalhadora, lhe deixa fora de si.

  • ‘A legalização da maconha é um processo que, inclusive por interesses econômicos, está em curso e é irreversível’

    altAté pouco tempo atrás vista como movimento de pouca importância na agenda política, inclusive progressista, a Marcha da Maconha ganha cada vez mais adeptos e influência. Entrevista com Julio Delmanto, do coletivo antiproibicionista Desentorpecendo a Razão (DAR).

  • São Paulo: por trás da falta d’água, privatização e ganância

    altObcecada por lucros e bolsa de Nova York, empresa de saneamento abandonou investimento em mananciais, até deixar população à míngua

  • Diante da obscura obsessão pelo ouro, é necessária uma moratória mineradora

    altA mineração de ouro tornou-se um flagelo que assola muitos países da América Latina. Em alguns lugares operam umas poucas transnacionais gigantes, mas em outras áreas centenas de milhares de garimpeiros vasculham as florestas, rios e entranhas das montanhas por algumas gramas de ouro.

  • O Homem que Encurtou a Ditadura Brasileira

    altDitadura e democracia no Brasil, de Daniel Aarão Reis, constrói-se como encadeamento crescentemente ininteligível de epifenômenos apresentados como fatos sociais e políticos essenciais.

  • A Igreja e a questão agrária no Brasil

    altDitadura e democracia no Brasil, de Daniel Aarão Reis, constrói-se como encadeamento crescentemente ininteligível de epifenômenos apresentados como fatos sociais e políticos essenciais. Retomando a retórica ditatorial e conservadora, o autor vê o golpe como movimento “defensivo”

  • Energia nuclear: debate necessário

    altO deputado federal Alfredo Kaefer (PSDB-PR) apresentou em 2007 a PEC122, que visa modificar os artigos 21 e 177 da Constituição para excluir do monopólio da União a construção e operação de reatores nucleares para fins de geração de energia elétrica.

  • Classes e luta de classes: ainda burguesia e ditadura

    altCom o objetivo de garantir que a retirada estratégica dos militares seguisse o curso planejado pelos próprios militares, a grande burguesia decidiu criar uma Ação Empresarial para incidir diretamente no processo político.

  • EUA perdendo seus feudos

    altDepois da queda do comunismo, o governo norte-americano voltou suas atenções para o Oriente Médio, onde surgiram novos desafios à sua hegemonia universal. Agora, a onda esquerdista avança para a América Central, o mais antigo feudo dos EUA.

  • Dom Tomás e Dom Waldyr

    altA morte de ambos, no mesmo intervalo de assembleias, veio simbolizar a profunda sintonia que sempre existiu entre eles. Nomeados bispos no início da década de 60, puderam participar do Concílio Vaticano II, tendo sido dos mais ardorosos artífices da profunda renovação pastoral que o Concílio inspirou naquelas décadas.

  • A credibilidade dos EUA, da OTAN e da UE depende do desfecho político da Ucrânia e da Líbia

    altOs principais cientistas políticos “independentes” admitem que no último semestre os fenômenos de crises políticas voltaram com extrema intensidade.

  • Impunidade dos EUA: o Golpe de 64, Bush, Operação Condor, a Comissão da Verdade e as guerras da Síria e Iraque

    altComo há um esforço por parte significativa da esquerda brasileira em subestimar e até negar a participação decisiva dos ianques no golpe e na ditadura civil-militar, é preciso resgatarmos as raízes históricas do nosso atual Estado liberal-colonial, que se consolidou a partir dos governos Collor e FHC.

  • “Eles estão roubando vocês!”

    altA FIFA novamente é o alvo das investigações de Jennings, desta vez focadas na distribuição de ingressos por sorteio, que, segundo ele, esconde um mundo de negócios sujos, mercado negro e troca de favores.