Edição 904

  • Nas favelas do Rio, "Pobre Bom é Pobre Morto!"

    altPolítica eficaz para pobre é aquela que se baseia no poder do fuzil e no peso de tanques e “caveirões”. Se na pátria de Maduro tal iniciativa é abominada, aqui, ela é festejada pela quadrilha midiática.

     

  • Lei de anistia e regeneração democrática

    altO marco jurídico da regeneração da democracia, isto é, a lei de anistia de 1979, pode e deve ser interpretado conforme a Constituição de 1988, de maneira a que não conduza à impunidade ou ao esquecimento.

  • Ivo Herzog: ‘tivemos evolução em absolutamente todas as áreas após o fim da ditadura’

    altIvo Herzog conversou com o Correio e fez um balanço da democracia brasileira, em meio às lembranças dos 50 anos do golpe. Ele desmistifica as afirmações de que alguns aspectos da vida nacional caminhavam melhor naquele tempo.

  • Indústria química e ditadura

    altÉ já fartamente comprovado o engajamento das principais indústrias químicas, plásticas e farmacêuticas no apoio ao golpe de abril de 1964 e à ditadura que se seguiu. Em nome da memória e da verdade, a indústria química deveria manifestar-se.

  • A monotonia do mal

    altO jornalismo investigativo de Veja, Estadão, Folha de S. Paulo, Organizações Globo, Zero Hora, Estado de Minas, Correio Braziliense e que tais, tão obcecado pelos malfeitos petistas, jamais investigará as execuções extra-judiciais e o contínuo desaparecimento de corpos no país.

  • Cinco grandes crises da história do PT

    altO critério para definir quais entre as crises foram as mais importantes será sempre controverso. O que importa, no entanto, não é se os que viveram o processo compreenderam a gravidade da mudança que aconteceu.

     

  • Encontro com o papa Francisco

    altO encontro se deu na audiência pública da manhã de quarta, 9 de abril, à porta da Basílica de São Pedro. “Como pai amoroso, dialogue sempre com a Teologia da Libertação, que é uma filha fiel à Igreja. E tenha sempre presente a defesa dos povos indígenas”.

     

  • A Petrobras como chantagem: A jabuticaba amarga de Dilma Rousseff

    altOs governos petistas não mexeram um dedo, como em geral em qualquer área econômica, para reverter os estragos da privatização branca de FHC. Ao contrário, vêm usando e abusando, das diretorias e cargos da estatal nas negociações políticas.

  • A utilização da lei pelo governo de Salvador Allende

    altNeste quarto artigo da série sobre o governo Allende no Chile, Jorge Magasich lembra da desapropriação da fábrica têxtil Bellavista-Tomé e dos mecanismos estudados, porém usados poucas vezes, que permitiriam expropriar empresas que parassem ou ocultassem sua produção.

  • Alimento saudável versus produção mercantil do agronegócio

    altIndagaríamos à ANVISA por que desapareceram do seu ‘site’, desde julho de 2012, as pesquisas semestrais que realizava sobre contaminação por agrotóxicos de frutas e verduras, em praticamente todos os estados do país.

  • As perguntas que María Corina não respondeu ao Senado brasileiro

    altA falta de compromisso com a solução pacífica dos impasses do país vizinho não foi suficiente para esconder as perguntas que a ex-deputada María Corina Machado não respondeu.

  • O silêncio dos inocentes

    altAgora houve um pacto de elites, armado pela presidente Dilma com os militares. O que esvazia a precária Comissão Nacional da Verdade e mais uma vez leva para a conciliação de classe e fortalece o capitalismo social-liberal no país.

  • O legado econômico da ditadura: o retrato de um desastre

    altO ridículo a que se chega por parte dos saudosistas só se agrava quando passam a recorrer aos chamados “grandes empreendimentos” do regime. Pura bazófia. Obras sem nenhuma transparência e controle de gastos que só contribuíram para o alarmante endividamento do país, fazendo a alegria dos bancos internacionais e empreiteiras.

  • 'Mídia requenta Pasadena para acabar com a Petrobras e ajudar na entrega do Pré-Sal’

    altPara o engenheiro Fernando Siqueira, ex-presidente AEPET, não se trata de uma CPI séria. O que está de fato em jogo é um acontecimento agora requentado pela mídia, atrelada ao jogo do cartel internacional, com o intuito de acabar com a Petrobras, para entregar Pré-Sal e “sangrar” Dilma.

  • Classes e luta de classes: a direita em transe

    altO general Chagas, o coronel Boggo e outros militares empenhados em reeditar o passado ditatorial apenas repetem os argumentos que devem ter utilizado quando participaram, como aspirantes ou tenentes, do golpe militar de 1964.

  • Amigos de longa data

    altA Comissão da Verdade da Assembleia Legislativa da Bahia convidou um grupo de antigos militares, que foram expulsos das Forças Armadas em 1964, por terem sido considerados comunistas, para exporem suas visões e serem homenageados.

  • O que será da Venezuela?

    altOs comentaristas não têm dúvidas: o caos é total, o socialismo bolivariano fracassou definitivamente. Como pode ser considerado fracassado o regime que, em todo o mundo, mais distribuiu riqueza e combateu a pobreza?

  • Em apoio à Campanha “50 dias contra a impunidade”

    altA Anistia Internacional Brasil, em ato público, lançou a Campanha “50 dias contra a impunidade”, com o objetivo de recolher assinaturas em todo o país, numa petição reivindicando a revisão da Lei da Anistia de 1979.