Edição 838

  • Recuperar o estado de confiança face à dura incerteza da economia em crise

    De maneira muito sintética, a abordagem do ex-ministro e professor Delfim Netto tem foco na ação econômica do Estado brasileiro com vistas a reanimar o ‘espírito animal’ dos empresários.

     

  • Crack, a epidemia da farsa

    altA veiculação sistemática na mídia de matérias confusas a respeito do crack não permite ao cidadão comum formar um quadro condizente com a realidade, levando-o a acreditar nos disparates.

  • A crise em Portugal: advertência para nós e para o mundo

    altPudemos perceber que a votação da lei orçamentária para 2013, aprovada pela maioria governamental da Assembleia da República, com apenas uma defecção, e rejeitada pela unanimidade da oposição, mostra que o estamento político de Portugal está fortemente polarizado.

     

  • Trabalho escravo, quando acaba?

    altPor que trabalho escravo em pleno século XXI? O lucro! Há uma estreita vinculação entre expansão do agronegócio no contexto da economia globocolonizada e a precarização das relações trabalhistas.

  • Laboratório da corporocracia

    altA nação centro-americana submetida às decisões de quem conforma a corporocracia, através de seus servos econômicos estruturados em poderes estatais como o judiciário, legislativo e executivo, participou de um processo eleitoral primário em 18 de novembro.

     

  • A perversidade do bem

    altNo sábado (8), com a inauguração cheia de salamaleques da nova arena do Grêmio, foi dado mais um passo no processo sinistro de gentrificação dos estádios de futebol no Brasil. A perversidade suprema é matar a nossa cultura sorrindo e nos fazer sorrir também.

     

  • ‘Mídia brasileira ataca ´Ley de Medios` argentina por temer projeto semelhante no Brasil’

    Para elucidar a chamada Lei de Serviços de Comunicação Audiovisuais argentina, o Correio entrevistou o editor da revista Caros Amigos, Laurindo Lalo Leal Filho, que assegura: a nova lei é da mais alta consistência e amplamente debatida. “São dois os grandes aspectos: o teórico-acadêmico e o da sustentação política”.

  • Justiça e Democracia

    altPassou dos limites tolerar o uso de verba pública em publicidade, como meio de amansar a imprensa prostibular, anestesiar a consciência das massas e criar mitos populistas. Pôr fim à política de compensações e dar aos salários poder aquisitivo maior.

  • Fotos jornalísticas e fotos espetaculares

    altÉ diferente, penso, de outras fotos polêmicas e famosas, como a da criança negra no Sudão, agachada, com um abutre à espreita (1993), ou a da garota vietnamita que corria nua, queimada por napalm (1972).

  • Oscar Niemeyer, autodefinição

    altNiemeyer, então com 102 anos, comentou que uma vez por semana recebia um grupo de amigos para aulas de cosmologia e astrofísica. Seu entusiasmo com o que aprendia lembrava um jovem estudante. Guardei dele um belo poema intitulado Autodefinição.

  • Síria: Obama repetirá Bush?

    altEmbora o poder de destruição das armas químicas seja terrível, a verdade é que seria estranho Obama preocupar-se com isso, depois de permanecer praticamente indiferente diante da morte de 40 mil pessoas.

     

  • O preço da liberdade é a eterna vigilância

    No total, foram 173 deputados cassados ao longo do período, dos quais 29 ainda estão vivos. Destes, 18 compareceram à homenagem, pessoalmente ou por meio de esposas, filhos ou netos, que os representavam. A cerimônia, bastante concorrida, consistiu na reintegração simbólica do mandato desses parlamentares.