Edição 793

  • Grécia: "Não é gente que goste de combater"

    Um dos objetivos da reunião de 30 de janeiro é a institucionalização de sanções automáticas para os Estados que não respeitem o equilíbrio orçamentário determinado pela governança européia.

  • Setor elétrico: capitalismo sem risco

    O espírito da privatização e do neoliberalismo dos anos de 1990 foi mantido inteiramente, e em todos estes anos vimos ocorrer um processo de captura do regulador pelo regulado.

  • Salvar vidas ou o capital?

    A lógica cotidiana do assassinato é sutil e esmerada. Aqueles que têm admitem como natural a despossessão dos que não têm. Qualquer ameaça à lógica cumulativa do sistema é uma ofensa ao deus da liberdade ocidental.

  • A Vale, os miseráveis e a mídia

    Como pode nenhum veículo empenhar uma equipe para investigar as denúncias que os zés e marias ninguém realizaram em escala planetária sobre uma das principais empresas do planeta?

  • Santa Cecília e Campos Elíseos exigem respeito!

    O Correio divulga a Carta Aberta à População de São Paulo das associações Santa Cecília Viva e Campos Elíseos, protestando contra a falta de políticas públicas do governo do estado e da prefeitura para enfrentar efetivamente o problema do crack.

  • Por que o mercado financeiro tem razão

    A grande idéia do “capitalismo”, tão bem formulada por Locke, Smith, Ricardo e tantos outros, é que, a partir da ganância individual pelo lucro, a riqueza de uma sociedade poderia aumentar.

  • Incertezas

    Centrar a discussão atual sobre os problemas brasileiros no campo da ideologia, isto é, da contradição entre socialismo e capitalismo, é um erro de caráter político.

  • Hipóteses de agressão

    A descoberta do Pré-Sal traz uma estimativa de reserva que pode chegar a 7% da reserva mundial atual. É muita ingenuidade nossa pensar que um país rico em recursos naturais consegue existir soberanamente, sem possuir um mínimo de poder militar.  

  • Fogo amigo ou cavalo de Tróia?

    De todas as falácias engendradas contra a Seguridade Social, a mais perniciosa talvez seja a de que as aposentadorias e outros benefícios pagos aos trabalhadores do campo não têm caráter previdenciário, mas assistencial ou híbrido.

  • Carta Marcada

    O sistema demonstra, de forma clara, quão mentirosa é a afirmação de que o poder emana do povo e em seu nome haverá de ser exercido.

  • O erro fatal dos pobres do Pinheirinho

    A truculência praticada pelo poder público contra os pobres do Pinheirinho é a prova provada da inexistência entre nós de justiça e cidadania. Faz lembrar Adoniran Barbosa, que plasmou no cancioneiro popular uma constante da tragédia social brasileira: o progresso das elites é o vale de lágrimas dos pobres.

  • A face oculta da privatização e o Tribunal Regional do Trabalho do Paraná

    Não há legislação reguladora da terceirização e o Congresso algema as poucas iniciativas de fazê-lo, pois a ordem constitucional não permitiria uma regulação satisfatória aos horizontes pretendidos pelo capital.

  • ‘País é o maior perdedor com o sensacionalismo em torno do Poder Judiciário’

    O jurista Celso Antonio Bandeira de Mello trata de desinflar o nível atingido pelos escândalos, afirmando que o ponto de partida de todas as polêmicas, a extensão das atribuições do CNJ, era uma divergência perfeitamente normal. Indigna-se ainda com o sensacionalismo de uma mídia que transforma tudo em escândalo para vender.