Edição 783

  • Por um partido socialista de orientação estratégica ofensiva: notas a partir de István Mészáros

    A atuação no interior do Estado ainda vale, é a luta defensiva. Mas precisa ser complementada pela formação das associações conscientes e organizadas em torno do projeto de auto-regulação do trabalho humano – eis a ofensiva socialista!

  • Apelo aos senadores

    Os pequenos agricultores são um verdadeiro patrimônio imaterial do país. Por tudo isso eles merecem proteção especial no Código Florestal. Este o apelo aos senadores.

     

  • Ameaças de morte na greve da Universidade Federal de Rondônia

    Aos que não estão acostumados com os jargões amazônicos, a menção a “descer na enchente do rio”, ao qual o bilhete se refere, é uma referência clara ao hábito de se desovar cadáveres nos rios da região.

  • Brasileiros ainda adoecem por falta de saneamento básico

    Estudo realizado pelo IBGE mostra grandes desigualdades entre as regiões brasileiras no acesso ao saneamento. Nessa situação, persistem doenças como diarréia e febre amarela, decorrentes da falta de serviços de água tratada e esgoto.

  • Crise grega: Papandreou é o Jânio Quadros que deu certo?

    O primeiro-ministro grego, Giorgos Papandreou, venceu mais uma no seu teatrinho grego perfeitamente encenado. Conseguiu sua esperada aprovação no parlamento, que reafirmou mais uma vez sua confiança no governante.

     

  • A velha mancha colonial

    Para garantir os recursos que abastecem os banqueiros, aplica-se uma política econômica que arrocha os salários e os funcionários públicos de Minas Gerais; SP, RJ e o resto do Brasil sabem muito bem disso.

     

  • ‘Rio pacificado é um blefe’

    Para tratar da saída do deputado estadual Marcelo Freixo do Brasil e discutir as polêmicas levantadas pelas ações policiais no Rio, o Correio da Cidadania entrevistou outro parlamentar do PSOL, o deputado federal Chico Alencar.

  • Incidente na USP, com porrete tucano

    A USP é a universidade mais antidemocrática do Brasil. Se os estudantes tivessem voz no Conselho, se essa instância fosse paritária, se o reitor fosse eleito pelo voto direto, certamente não haveria ocupações, greves, paralisações, protestos".

  • 15 de novembro de 1889: a contra-revolução republicana

    A onda reformista do movimento do abolicionismo foi estraçalhada pela nova ordem federalista. O novo Estado assumia uma essência conservadora, federalista, elitista e nulamente republicana, democrática e popular. Quando populações levantaram-se, confusamente, contra uma ordem que compreendiam ser-lhes absolutamente madrasta foram acusadas de barbárie e duramente massacradas.

  • Perfil do corrupto

    Melífluo, o corrupto é cheio de dedos, encosta-se nos honestos para se lhe aproveitar a sombra, trata os subalternos com uma dureza que o faz parecer o mais íntegro dos seres humanos.

  • PM na USP e pseudo-democracia

    Por que nossa ditadura disfarçada precisaria contar com uma censura oficial, se na prática as informações já são filtradas, distorcidas e manipuladas? Assim, a defesa dos ideais de uma elite se faz sem que haja grandes reações.

  • Você não me quer como aluno da USP

    Sou aluno da FEA. Trabalho durante o dia, 10, 12, até 14 horas por dia. Estudo à noite. Mas vocênão me quer na USP. Fazendo o que eu faço atualmente, estou simplesmente colocando seu precioso dinheiro no bolso.

     

  • Obama e Natanyahu chantageiam a UNESCO

    Assim como para seus antecessores, para os dois a diplomacia é um interminável exercício de extorsão, inclusive congelando contribuições a organismos internacionais que não se ajoelham diante de suas ordens.

     

  • Os resignados: a distopia inglesa

    Owen Jones parece antecipar as principais discussões após as rebeliões. Primeiro, porque trata especificamente da forma como a classe trabalhadora, imigrantes e minorias étnicas vêm sendo tratados cada vez mais como inimigos internos.