Edição 762

  • ‘O poder público é o grande atravancador do poder Judiciário’

     O poder Judiciário tem sido palco de uma série de discussões e tomadas de decisões polêmicas. Em entrevista ao Correio, o jurista Celso Antonio Bandeira de Mello expõe sua visão do assunto. 

  • Gripe suína e pirataria biológica

    A venda de Fertilizantes e Venenos, tendo o Produto Final apenas como arremate econômico do Sistema Agroindustrial Monopolista, tornou-se o Modelo hoje fartamente hegemônico, que nos coloca como grande produtor mundial de grãos e carnes, como o MAIOR CONSUMIDOR MUNDIAL de Fertilizantes, Drogas e Venenos.

  • Distribuição de renda: botando o pingo no i

     Relevante aspecto a ser destacado no estudo do professor Reinaldo Gonçalves é que – dadas as condições da expansão da economia mundial no período 2003/2008 e do padrão de inserção internacional de nossos países – independentemente da política econômica praticada em cada um deles, quase todos experimentaram avanços na distribuição de renda.

  • O legado dos Megaeventos:desenvolvimento ou exclusão de direitos?

     Fica claro que a certeza de ganho com essa Copa do Mundo e com as Olimpíadas está com os grandes empresários, os políticos envolvidos com seus lobbies e os organizadores.

  • Copa e Olimpíadas: Cresce o banquete da burguesia

    Não restam mais dúvidas sobre o “erro” político e a inoportunidade da Copa e Olimpíadas. Mas o abacaxi deixado por Lula ficou nas mãos de Dilma, que, depois de muita pressão, emitiu MP, aprovada na Câmara, que garante SIGILO sobre os contratos das obras da Copa.

  • Malandragem multinacional

     A tendência da equalização salarial metalúrgica poderá ser a transferência de capitais, indústrias e também trabalhadores para São Paulo, esvaziando o atual processo de industrialização, pelo menos do Norte, Nordeste e Centro-Oeste.

  • Os miúdos do reino

     O acolhimento das restrições ao projeto de liberdade de consulta dos documentos públicos registra mais do que a fragilidade da administração Dilma Rousseff às pressões conservadores, ao igual do ocorrido quanto aos direitos civis, à política internacional, ao código florestal, à remuneração do capital. 

  • Protesto de trabalhadores volta a expor fragilidades da saúde cada vez mais privatizada

     Na última semana, mais uma categoria do funcionalismo público voltou a se manifestar contra as políticas do governo de turno. Dessa vez, foram os trabalhadores estaduais da saúde do estado de São Paulo, vítimas das políticas privatistas que os últimos governos tucanos implantaram na unidade mais rica da federação.