Edição 760

  • A política externa brasileira

    Análises de notórios acadêmicos lulistas, de orientação marxista, e de políticos de oposição de esquerda, ajudaram a forjar a idéia de que “a política do Itamaraty” seria o ponto alto do governo que se iniciou em 2003.

  • Pandora e Stradivarius

     

     Se o Japão, que se gaba de possuir tecnologia de última geração, não foi capaz de evitar a catástrofe, o que pensar dos demais países que brincam de fogo atômico? 

  • Carta do Cacique Mutua sobre Belo Monte

    O madeireiro e o fazendeiro espremeram o índio perto do rio com o cultivo de pastos para boi e plantações mergulhadas no veneno. A terra está estragada. 

  • Não vou rimar com animal nem com boçal

     

    - Ó seu Cabral, ó seu Cabral, o funcionário público não é fruta podre do seu quintal.

    - Ó seu Cabral, ó seu Cabral, o salário é letal, é tão pequeno que não faz nem um mingau. 

  • A desmoralização social da carreira docente

    Quando examinados os salários dos professores do ensino médio, em estudo da Unesco, sobre 31 países, há somente sete que pagam salários mais baixos do que o Brasil, em um total de 38. Os professores foram desqualificados diante da sociedade.

  • Desinformação e desrespeito na mídia brasileira

    A versão dos jornais sobre a defesa do "erro" em livros didáticos é uma ofensa a todo trabalho desenvolvido pelos lingüistas e educadores de nosso país. 

  • Morre Jorge Semprún

    Não é preciso concordar inteiramente com um militante e intelectual para respeitar sua trajetória, admirar sua obra e aprender com suas experiências e reflexões. O século XX, com seus abalos, avanços e retrocessos, não foi fácil ou retilíneo, nem para as lutas sociais, nem para as biografias de seus protagonistas.

  • ‘Solução’ estrutural de ‘primarizar’ comércio exterior aprofundou déficit

    O déficit externo ressurge a partir de 2008 e continua crescendo, sob o impacto de duas pressões não resolvidas: a perda de competitividade das exportações de manufaturas e o avanço do déficit dos Serviços, atribuível à remuneração do capital estrangeiro na economia brasileira.

  • Reverência com o chapéu alheio

    Se o empresariado quer, de qualquer forma, reduzir os impostos, vamos começar com aqueles que permitem a manutenção de todo Sistema S (Sesc, Senac, Sesi, Senai e Sebrae), sem haver crítica à qualidade dos programas mantidos por esta profusão de "S". Em geral, a população não sabe, mas o Sistema S não é mantido pelos empresários e, sim, por impostos pagos por ela própria.  

  • Obama e a Palestina: pequenos avanços, grandes recuos

    Obama disse: "As partes - israelenses e palestinos - negociarão uma fronteira que será DIFERENTE DA EXISTENTE EM 1967. Permitirá que as partes levem em conta as mudanças dos últimos 44 anos, INCLUINDO A NOVA REALIDADE DEMOGRÁFICA".

  • Os dilemas de Ollanta

    A coalizão de Humala será um dos elementos restritivos caso se desperte no novo presidente a vocação "bolivariana" que muitos lhe atribuem, mas que cuidou de não agitar na campanha.

  • Brasil rural: matar e desmatar

    Ao transferir para estados e municípios o controle ao desmatamento e anistiar o agronegócio, o novo Código dá sinal verde à ocupação descontrolada de terras e agrava as tensões fundiárias.

  • Depois do fim do mundo

    Em sentido figurado, podemos afirmar que o fim do marxismo foi anunciado tantas vezes quantas vezes foi o fim do mundo pelos apocalípticos.

  • Contra Palocci e contra a direita farsante

    À esquerda cabe denunciar os dois como produtos inerentes do caráter essencialmente predatório dessa ordem econômica que oprime maiorias para enriquecer privilegiados. É isso que temos que deixar claro permanentemente.

  • Luta de classes

    Diante das crises passadas e da atual, talvez tenha chegado o momento de o PT retomar o conceito da luta de classes como parte da realidade e tirar daí todas as conseqüências.

  • Demissões nas redações marcam crescente submissão e precarização no jornalismo

    Apresentando-se ao público como defensora da liberdade de imprensa, qualidade da informação e ética jornalística, a grande mídia brasileira talvez não resista a uma simples radiografia de si mesma. Neste primeiro semestre, o balanço a ser feito sobre as redações brasileiras é dos mais lastimáveis, tendo sido abaladas por uma verdadeira varredura.

  • Brasil credor do FMI é idéia falsa, apregoada pelo governo e difundida pela mídia

    Qualquer novidade no comando do FMI somente seria possível a partir de negociações e da vontade dos países-acionistas principais. Outra questão, objeto de muita manipulação, refere-se ao "poder dos países emergentes". Trata-se de uma abstração que precisa ser desmistificada.