Edição 597

  • A exploração comercial da tragédia

    A "indústria cultural" encarrega-se de explorar o escândalo, exportá-lo, transformá-lo em diversos sub-produtos, todos altamente lucrativos. Pouco importa aos seus capitães o enorme dano que a exposição escandalosa da tragédia acarreta às pessoas nela, direta ou indiretamente, envolvidas. A sociedade também sofre perdas e a primeira delas é a revogação do princípio jurídico da presunção de inocência.

  • Haiti não é Tibet: as misérias do duplo discurso.

    caraacara.jpgDói que as esquerdas não tenham o valor de ser conseqüentes quando a repressão é levada adiante pelas tropas de países governados por partidos de esquerda. Raúl Zibechi.

  • Emergência no Haiti

    xilocidaderostos.gifOs povos do continente não podem aceitar que o dinheiro dos cidadãos seja usado para exércitos de ocupação em países irmãos. A presença que requer o Haiti é a solidária. Ana Esther Ceceña e Anibal Quijano.

  • PT e PSDB de mãos dadas

    pt_estrela_interrogacao.gifO que foi feito da  grita do PT belo-horizontino sob oito anos de governo FHC? Em que bases  programáticas a aliança se estabeleceu? Quem cedeu a quem?
     

  • Agronegócio, desenvolvimento e meio ambiente (1)

    canavial.jpgNão há essa relação absoluta que se quer estabelecer entre agronegócio considerado como um bloco monolítico e desenvolvimento do país. Há que se pensar em cada cultura separadamente. Rogério Grassetto Teixeira da Cunha.

  • Ausência de política urbana e privilégios para ricos deixam milhões sem moradia

    mstbandeira.jpgEntrevista com João Whitaker, urbanista docente da FAU, que analisa o caos urbano e as recentes ocupações de moradias. Gabriel Brito.

  • Oposição de esquerda ao governo Lula

    dedo_apontando.jpgMais do que nunca, é importante a defesa de um projeto de esquerda, antiliberal e de fortalecimento de um novo modelo de desenvolvimento para o Brasil.

  • A Reconstrução da Esquerda

    homem_sobre_fita_desenr.jpgEstá colocada neste momento histórico para a esquerda a possibilidade de discutir novos referenciais políticos não-capitalistas, ou seja, novos referenciais para uma nova esquerda. Antonio Julio de Menezes Neto.

  • Viver é perigoso

    homem_interrogacao.jpgCancerígeno não amar. Cancerígeno humilhar e ser humilhado. Cancerígeno, enfim, viver pensando que tudo é cancerígeno.

  • Queremismo da “estadania”

    brcarroca.jpgA "estadania" é o simulacro de cidadania, regulada e acionada pela máquina do Estado e pelas máquinas eleitorais acoitadas nele, sempre com o apoio dos pontos fortes da economia.

  • A estranha despedida do ombudsman

    quebracabeca.jpgMário Magalhães abordou com pertinência e uma certa insistência algo que poucos ouvidores tiveram a coragem de abordar: a relação da Folha com certos políticos e a editorialização da cobertura política.

  • A valorização do destino

    brnavioluneta.jpgA atual Constituição já possibilita a mudança do critério de cobrança do ICMS. Não é necessário passar com um trator sobre o modelo tributário para aperfeiçoá-lo.

  • PT divulga nota sobre as eleições no Paraguai

    bandeira_paraguai.jpgEm função da importância das próximas eleições no Paraguai para a América Latina, publicamos nota recentemente veiculada pelo PT em apoio ao candidato Fernando Lugo.

  • Governo Lula respalda-se cada vez menos na classe trabalhadora organizada

    ilus_lula_mapa_brasil.jpgA segunda parte da entrevista do sociólogo Ricardo Antunes, sobre a aprovação do projeto de lei 1.990/07 pelo Câmara Federal. Valéria Nader.

  • Perspectivas da economia chinesa

    bandeira_china.jpgA China, e diversos países emergentes, estão reagindo à atual crise de forma muito diferente do passado, quando um espirro as levava à desordem econômica e financeira.

  • O elo perdido

    maca_mordida.jpgNós somos o elo que andava perdido. O verdadeiramente humano virá no futuro. Isso se adquirirmos vergonha. Caso contrário, o projeto humano quedará como uma utopia.

  • Discriminação dos aposentados

    brasilmicroscopio.jpgQuem ficou fora do auxílio-saúde? A resposta a essa indagação não é óbvia. Muito pelo contrário. A resposta é surpreendente. Os idosos ficaram de fora. João Baptista Herkenhoff.

  • A farra da legalização da grilagem

    brmapaestrelapt.jpgO governo Lula vende ao agronegócio 60 milhões de hectares de terras públicas do Incra na Amazônia que deveriam ser reservadas para a reforma agrária. Ariovaldo Umbelino.