Edição 557

  • Organizar a luta social: prioridade da esquerda

    brnavioluneta.jpgPara o dia 24 de outubro, um conjunto de entidades que vem construindo uma agenda unitária de lutas prepara a realização de uma grande marcha a Brasília, com uma pauta unificada de reivindicações populares.
  • Lapso

    HomemAquele rosto não saiu da minha cabeça no dia seguinte: não sei o que lhe aconteceu, mas desconfio que tenha apanhado e muito. Quem chama o outro de trouxa assim, como quem diz bom dia, é porque está procurando briga: deve medir o tamanho da sua imprudência.
  • Mundo de Valentina

    TerraO fundamental neste debate levado ao grande público pela revista eletrônica semanal Fantástico, da Rede Globo, é que ninguém hoje no mundo pode se colocar à parte do problema. Por Danilo Pretti Di Giorgi.
  • Bush corrige a pontaria (2): Líbano

    LíbanoBush buscou reaproximar-se do governo do sunita Fued Siniora, doando 1 bilhão de dólares ao país que ajudara a destruir. E mais: co-organizou uma reunião de países em Paris, que prometeram quase 8 bilhões para a reconstrução do Líbano.
  • O Brasil vai decolar?

    Avião Um país como o  Brasil, que se ufana de estocar mais de US$ 100 bilhões, não tem o direito de oferecer à sua população – e aos turistas que atrai – transportes insuficientes, ineficientes, caóticos e falhos quanto à sua infra-estrutura.
  • Cabral, Lula e o inspetor Trovão

    Políticos Quando essa gente de colarinho branco “dançar”, os tiranetes na ponta do varejo ficarão sem as armas modernas e sem a matéria-prima que alimenta o comércio cruel e “brilha” nas festas das altas rodas.
  • O ritual dos corpos

    Rio de JaneiroO Pan ritualiza uma sociedade de classes, naturalizando a divisão entre os corpos: aos corpos dos deuses e romeiros, toda segurança, beleza e esplendor; aos corpos dos jovens destinados ao sacrifício, a insegurança das favelas. Por Ir. Gloria Josefina Viero.

  • Antes da magia, macroeconomia

    reais.jpgUm relaxamento na ortodoxia da condução da política monetária e fiscal pode trazer um impacto extremamente positivo sobre a perspecti de crescimento da nossa economia. Por Carlos Pinkusfeld Bastos
  • 'Chacina do Pan' consolida agenda da criminalização e extermínio dos pobres

    Jogos Panamericanos
    Ações da polícia carioca compõem a "chacina do Pan", diz
    a criminologista Vera Malaguti (Foto: Wilson Dias/ABr)
  • Saúde: uma perversa herança da ditadura militar

    Pesquisa feita pela ANS (Agência Nacional de Saúde Suplementar) revela que 47% das “operadoras” de saúde não têm “saúde” financeira para continuar operando.
  • O bosque e as árvores

    folhadinheiro.jpgQuem tiver curiosidade, basta prestar atenção à campanha contra as hidrelétricas, em todas as partes do mundo, para descobrir que, atrás do bosque capitalista, estão as poderosas árvores petrolíferas.
  • Renan e as teorias conspiratórias

    justicagrita.jpgOposição de verdade, o presidente do Senado só encontra no PSOL, PV e PPS. É muito pouco para um enredo que envolve Polícia Federal, TV Globo, uma suposta chantagem no valor de R$ 20 milhões e a exposição pública da vida íntima do senador.

  • Projetos: idéias e ações

    cerebroplug.jpgSem projetos pessoais, e personalizantes, corremos o risco de ser dejetados, rejeitados, ou sujeitados por aqueles cujos projetos planejam nos usar da maneira mais abjeta.
  • O terrorismo de Estado no Brasil

    ViolênciaA repressão maciça e indiscriminada torna-se medida essencial para sufocar e prevenir eventuais transbordamentos sociais e satisfazer as imensas parcelas da opinião pública conquistadas pela proposta de repressão impiedosa do delinqüente. Por Mário Maestri.
  • Negociação legitimadora da tributação

    dinheirohomemmoeda.jpgUm mecanismo simples e econômico para se enfrentar a evasão e a sonegação é o de cada agente econômico, principalmente o consumidor, exigir a nota fiscal.
  • Sobre as denúncias éticas

    Precisamos pôr em prática uma grande lição do passado: a indignação ética não é suficiente para eliminar a corrupção, que atualmente é sistêmica. Decorre da promiscuidade entre agentes públicos e privados, característica inerente ao modelo político neoliberal.