Petrobrás é a maior vítima de fake news da História do Brasil

0
0
0
s2sdefault

Resultado de imagem para petrobrás fake news
Qual personalidade ou instituição brasileira foi a mais perseguida por meio de mentiras e falácias na história moderna do país?

Certamente houve muita injúria contra Getúlio, Prestes, Jango, JK e Brizola. Mas quando comparamos a difamação contra a Petrobrás, com seus quase 65 anos de existência, é possível concluir que foi ainda maior, ponderando sua duração e intensidade.

A Petrobrás é um fenômeno, sua história e resultados demonstram a capacidade de realização do povo brasileiro. Por revelar a nossa capacidade ela é tão admirada e protegida pela maioria dos brasileiros que são imunes às reiteradas falácias e mentiras propaladas pelos porta-vozes do interesse antinacional.

Segundo Barbosa Lima Sobrinho: "A Petrobrás, desde a sua criação, foi mais que uma empresa pública. Surgiu como emblema da nacionalidade, a sigla mística que podia abranger e reunir o maior número possível de brasileiros fiéis à sua pátria. Petrobrás era um símbolo que, por si só, despertava emoções, como se a sua missão fosse a de acender estrelas, para iluminar o céu do futuro do Brasil".

Pesquisa recente apontou que 70% dos brasileiros são contra a privatização da Petrobrás e 78% são contra o capital estrangeiro na estatal.

Recebeu pedras desde sua criação

Para registrar o contexto histórico basta apresentar trechos dos editoriais, publicados em outubro de 1953, no jornal O Estado de S. Paulo. Foi comentando o discurso do Presidente Getúlio Vargas na cerimônia em que sancionou a Lei Nº 2004, a editoria criticou duramente a criação da Petrobrás e afirmou que o Brasil enfrentaria sérias dificuldades econômicas e não resolveria o problema da falta de petróleo.

"A atitude do Executivo e do Legislativo federais em relação ao problema do petróleo denuncia absoluta irresponsabilidade em face dos interesses nacionais. Quanto à urgente necessidade de tudo se fazer com o objetivo de prospectar e explorar as riquezas petrolíferas que o nosso subsolo porventura encerre, a 'solução' encontrada foi a da 'Petrobrás', que onerará excessivamente os contribuintes, a ponto de prejudicar a economia nacional, sem nos trazer a menor esperança de resultados positivos. A 'Petrobrás' significará um considerável desperdício de dinheiro e de tempo, atestando nossa incapacidade de resolver um dos mais urgentes problemas econômicos nacionais. Além disso, a aprovação e sanção do projeto de lei que cria essa empresa explicam-se menos pela ignorância do que pela sujeição do Executivo e do Legislativo à demagogia e a argumentos eleiçoeiros. Mais de uma vez tivemos o ensejo de registrar e condenar a corresponsabilidade da União Democrática Nacional nessa questão".

Mentiras e falácias atuais

Quem pensa que a Petrobrás está quebrada, que a produção do pré-sal é lenta, que o pré-sal é um mico e não tem valor ou que a exportação de petróleo por multinacionais pode desenvolver o Brasil, está sendo enganado. É vítima da ignorância promovida pelos empresários da comunicação, políticos e executivos a serviço das multinacionais do petróleo e dos bancos.

FAKE #1 - O mito da Petrobrás quebrada

A Petrobrás é a maior e mais importante empresa do país. Embora tenha sido vítima de corrupção sempre esteve muito longe do risco de falência. A estatal é uma grande geradora de caixa. Entre 2012 e 2017, a geração se manteve estável entre 25 e US$ 27 bilhões por ano. Também neste período manteve enormes reservas em caixa, entre 13,5 e US$ 25 bilhões, superiores as multinacionais estrangeiras. A capacidade de honrar compromissos de curto prazo sempre foi evidenciada pelo índice de liquidez corrente superior a 1,5.

A dívida da Petrobrás é proporcional às reservas em desenvolvimento do pré-sal e aos investimentos de mais de US$ 250 bilhões, de 2009 a 2014, sendo perfeitamente administrável pela companhia que cresce, tanto na produção, quanto na geração operacional de caixa.

FAKE #2 - O "prejuízo" pelos subsídios ao consumidor entre 2011 e 2014

Não é verdade que a Petrobrás teve prejuízos enquanto adotou preços de combustíveis abaixo do internacional, entre 2011 e 2014, época em que o preço do petróleo se manteve elevado.

Neste período de altos preços do petróleo, os resultados das atividades de refino foram compensados pelos ótimos resultados das atividades de exploração e produção.

No período de 2015 a 2016, com os preços do petróleo mais baixos, os resultados de exploração e produção foram compensados pelos ótimos resultados do refino.

O fato é que o preço de venda dos derivados sempre foi acima dos custos de produção. Assim, a Petrobrás, como empresa integrada e verticalizada, sempre apresentou lucros operacionais em linha com as maiores empresas de petróleo do mundo.

O gráfico abaixo mostra os lucros brutos da Petrobrás no período de 2008 a 2017. Ao contrário do mencionado pelo Diretor-Geral da ANP, entre 2011 a 2014, a Companhia não teve prejuízos. Os resultados operacionais apresentados foram estáveis ao longo dos últimos anos justamente para garantir a lucratividade da Companhia, mas sem prejudicar os consumidores brasileiros.


   
FAKE #3 - Os "maus investimentos" e a corrupção superestimados

Os detratores da Petrobrás superdimensionam os prejuízos causados pelos corruptores e corruptos que lesaram a companhia, com o objetivo de justificar a privatização dos seus ativos e do petróleo.

O mito da Petrobrás quebrada foi o pilar ideológico do plano lançado em setembro de 2016, Plano de Negócios e Gestão (PNG 2017/21), que tem como principal objetivo reduzir a alavancagem, antecipadamente, a 2,5 no final de 2018. O indicador escolhido é obtido pela divisão da “dívida líquida” pelo “EBTIDA ajustado” e no plano anterior seria atingido em 2020. Assim o plano pretende justificar a privatização de US$ 35 bilhões em ativos entre 2016 e 2018.

O mito da Petrobrás quebrada é alimentado pela lenda do endividamento ameaçador. O endividamento teria sido motivado pela corrupção e por maus investimentos. Agora ele estaria a ponto de quebrar a Petrobrás e a única alternativa seria privatizar os ativos da estatal a toque de caixa. Esta falácia é revelada pela estimativa do impacto da corrupção e dos investimentos em ativos ditos improdutivos no endividamento da Petrobrás.

Em síntese, concluímos que do total da dívida existente no final de 2014 (US$ 136,04 bilhões), 4,5% correspondem aos investimentos ditos “improdutivos” e 3,6% correspondem aos efeitos da corrupção. Ressaltamos que os dois efeitos não podem ser somados porque existem efeitos redundantes pelo impacto da corrupção na “improdutividade” dos ativos.

Assim pôde ser revelada a lenda da origem perversa do endividamento que alimenta o mito da Petrobrás quebrada e suporta ideologicamente o objetivo da privatização fatiada da estatal que é disfarçada pela meta da redução da alavancagem.

FAKE #4 - A incapacidade de investir e de exercer o direito de operação única no pré-sal

A construção da ignorância sobre a Petrobrás, maior vítima histórica das mentiras e falácias (fake news) da História moderna do Brasil serve para convencer a opinião pública de que a estatal não é capaz de exercer o direito de ser a operadora única no pré-sal e investir no desenvolvimento da sua produção.
Apesar do crescimento da produção no pré-sal ter ocorrido em tempo recorde, em comparação com o Golfo dos EUA, o Mar do Norte e a própria Bacia de Campos. A produção no pré-sal já representa cerca de 55% da produção nacional.

FAKE #5 - A necessidade de privatizar ativos, alienar acumulações de petróleo e ceder direitos no pré-sal, como na cessão onerosa, para reduzir alavancagem no curto prazo

Desde 2016 foi demonstrado que a Petrobrás não precisa vender ativos para reduzir seu nível de endividamento. Ao contrário, na medida em que vende ativos ela reduz sua capacidade de pagamento da dívida no médio prazo e desestrutura sua cadeia produtiva, em prejuízo à geração futura de caixa, além de assumir riscos empresariais desnecessários. A avaliação mostra o equívoco dessa escolha política e empresarial de alienação de ativos, e revela que ela é desnecessária. A alternativa proposta preserva a integridade corporativa e sua capacidade de investir na medida do desenvolvimento nacional e em suporte a ele. Enquanto garante a sustentação financeira, tanto pela redução da dívida, quanto pela preservação da geração de caixa a médio prazo.

O verdadeiro objetivo da atual gestão é a privatização, por partes, dos ativos rentáveis da Petrobrás. A escolha do indicador de alavancagem, da meta de 2,5 e do prazo de 2018 são arbitrários. São as consequências da meta de privatização e não o contrário. Trata-se de uma falácia, de inversão de causa e efeito, que é repetida muitas vezes.

FAKE #6 - A política de preços que teria beneficiado a estatal desde 2016

A política de preços altos e vinculados à variação do preço do petróleo e do câmbio, inaugurada por Parente em 2016, prejudicou tanto a Petrobrás, quanto o consumidor brasileiro. O diesel caro da estatal encalhou nas refinarias, assim ela perdeu mercado e receita de vendas com a ocupação de até 30% do mercado brasileiro pela cadeia de importação que é multinacional e estrangeira.

Sem conseguir escoar a produção de diesel, as refinarias da Petrobrás precisaram limitar a carga de petróleo e se tornaram ociosas, em até 30%. Ganharam os refinadores dos EUA, os operadores de logística “traders” estrangeiros e as distribuidoras concorrentes da Petrobrás que operaram, lucrativamente e com baixo risco, na importação de diesel. Assim como os produtores de etanol que tomaram o mercado da gasolina cara.

Após a greve dos caminhoneiros, com preços mais baixos para os combustíveis e elevação dos riscos aos importadores, a Petrobrás retomou o mercado doméstico de combustíveis, propiciando custos menores para a população e aumento da lucratividade para Companhia. O lucro operacional do segmento de refino aumentou de US$ 3,8 bilhões no 1º trimestre de 2018, para US$ 7,2 bilhões no 2º trimestre de 2018, um aumento acima de 90% na lucratividade, através de preços menores na refinaria e recuperação do mercado.

Diante da menor competição com produtos importados, o fator de utilização do parque de refino da Petrobrás no Brasil atingiu 81% no segundo trimestre deste ano, o que representa um avanço de 9 pontos porcentuais na comparação com os primeiros três meses do ano e de três pontos em relação a igual período de 2017. Por outro lado, o aumento da carga processada nas refinarias reduziu a exportação de petróleo cru.

FAKE #7 - O "monopólio" do refino

Desde a promulgação da Lei nº 9.478/1997, a Petrobrás não é mais a executora única do monopólio da União nas atividades de refino no Brasil. Existem outras refinarias operando no país, que podem ampliar sua capacidade, e qualquer outra empresa estatal ou privada pode exercer atividades de refino, de acordo com seu apetite de assumir riscos de investimento, assim como a Petrobrás fez, com objetivo de atender ao crescimento do mercado brasileiro de derivados, desde que autorizada pela União.

Obrigar a Petrobrás a se desfazer de seus ativos em favor de empresas privadas representa uma ação contra a natureza de uma companhia integrada de petróleo, característica dessa indústria que objetiva a mitigação dos riscos da volatilidade do preço do petróleo e do câmbio, por exemplo. Mas, acima de tudo, é uma agressão à Petrobrás que assumiu riscos ao realizar investimentos de longa maturação, como as refinarias.

Entregar refinarias ao setor privado irá enfraquecer a Petrobrás, em um movimento na contramão da indústria, em um contexto onde as empresas nacionais de petróleo (NOCs) estão se fortalecendo em todo o mundo, inclusive através da expansão da capacidade de refino, a exemplo dos países da Ásia (China, Índia, Indonésia, Malásia), da Rússia (Rosneft e Gazprom) e do Oriente Médio. Esse tipo de política proposta pelo Diretor-Geral da ANP representa uma ação contra a lógica econômica da indústria de óleo e gás e contra o povo brasileiro.

O mercado brasileiro do refino é aberto e competitivo, faz parte da bacia do Atlântico, como demonstra a recente invasão do mercado pelo diesel produzido nos EUA, resultado dos preços altos de Parente na Petrobrás.

É descabida a exigência de preços internacionais como condição para investimentos no refino. Ainda mais estranho é o desejo de impedir a ação do Estado Brasileiro no setor.

FAKE #8 – A Petrobrás é uma empresa como outra qualquer

A Petrobrás teve sua criação autorizada pela Lei nº 2.004, de 3 de outubro de 1953, como uma sociedade de economia mista. No debate recente sobre a Petrobrás, muito se tem dito e escrito sem que se preste atenção no significado concreto da natureza jurídica da Petrobrás como uma sociedade de economia mista. A sociedade de economia mista é uma espécie de empresa estatal.

De início, basta recordarmos que, segundo o artigo 5º, III do Decreto-Lei nº 200, de 25 de fevereiro de 1967, a sociedade de economia mista é uma entidade integrante da Administração Pública Indireta, dotada de personalidade jurídica de direito privado, cuja criação é autorizada por lei, como um instrumento de ação do Estado.

Apesar de sua personalidade de direito privado, a sociedade de economia mista, como qualquer empresa estatal, está submetida a regras especiais decorrentes de sua natureza de integrante da Administração Pública. Estas regras especiais decorrem de sua criação autorizada por lei, cujo texto excepciona a legislação societária, comercial e civil aplicável às empresas privadas.

Na criação da sociedade de economia mista, autorizada pela via legislativa, o Estado age como Poder Público, não como acionista. A sua constituição só pode se dar sob a forma de sociedade anônima, devendo o controle acionário majoritário pertencer ao Estado, em qualquer de suas esferas governamentais, pois ela foi criada deliberadamente como um instrumento da ação estatal.

Sob a Constituição de 1988, toda empresa estatal está submetida às regras gerais da Administração Pública (artigo 37 da Constituição), ao controle do Congresso Nacional (artigo 49, X, no caso das empresas estatais pertencentes à União) e do Tribunal de Contas da União (artigo 71, II, III e IV da Constituição, no caso das estatais da esfera federal). Além disto, o orçamento de investimentos das estatais federais deve estar previsto no orçamento-geral da União (artigo 165, §5º da Constituição de 1988).

As empresas estatais, como a Petrobrás, estão subordinadas às finalidades do Estado, como o desenvolvimento (artigo 3º, II da Constituição). Neste sentido, é correta a afirmação de que o interesse público é o fundamento, o limite e o critério da iniciativa econômica pública. A legitimação constitucional, no caso brasileiro, desta iniciativa econômica pública, da qual a sociedade de economia mista Petrobrás constitui um exemplo, se dá pelo cumprimento dos requisitos constitucionais e legais fixados para a sua atuação.

A criação de uma empresa estatal, como uma sociedade de economia mista ou uma empresa pública, já é um ato de política econômica. Os objetivos das empresas estatais estão fixados por lei, não podendo furtar-se a estes objetivos. Devem cumpri-los, sob pena de desvio de finalidade. Para isto foram criadas e são mantidas pelo Poder Público.

A sociedade de economia mista é um instrumento de atuação do Estado, devendo estar acima, portanto, dos interesses privados. A Lei das S.A. (Lei nº 6.404, de 17 de dezembro de 1976), se aplica às sociedades de economia mista, desde que seja preservado o interesse público que justifica sua criação e atuação (artigo 235). O seu artigo 238 também determina que a finalidade da sociedade de economia mista é atender ao interesse público, que motivou sua criação.

A sociedade de economia mista está vinculada aos fins da lei que autoriza a sua instituição, que determina o seu objeto social e destina uma parcela do patrimônio público para aquele fim. Não pode, portanto, a sociedade de economia mista, por sua própria vontade, utilizar o patrimônio público para atender finalidade diversa da prevista em lei, conforme expressa o artigo 237 da Lei das S.A.

FAKE #9 – A Petrobrás pode alienar ativos como uma empresa privada qualquer

As empresas estatais, sejam sociedades de economia mista ou empresas públicas, são entidades integrantes da Administração Pública Indireta, apesar de dotadas de personalidade jurídica de direito privado. Toda e qualquer empresa estatal está submetida a regras especiais decorrentes de sua natureza de integrante da Administração Pública. A alienação de bens e ativos de entes da Administração Pública tem por regra, advinda do próprio texto constitucional de 1988, a exigência de licitação.

A licitação é uma imposição constitucional expressa, conforma determinam os artigos 37, XXI e 173, §1º, III da Constituição de 1988. A legalidade, a isonomia e a impessoalidade são os princípios estruturantes de qualquer licitação pública.

Não apenas a Constituição, mas a legislação específica reitera estes princípios, como a Lei nº 8.666, de 21 de junho de 1993, dentre outras. A impessoalidade determina, entre outros deveres, o de que a Administração Pública esteja proibida expressamente de discriminar quem quer que seja sem fundamento legal, ou seja, todos devem ser tratados igualmente perante a Administração.

Do mesmo modo, a legislação é explícita ao vedar qualquer tipo de preferência ou distinção sem fundamento no ordenamento jurídico, visando frustrar justamente o caráter competitivo do procedimento licitatório. Afinal, o fundamento da ideia de licitação é o da competição, sem privilégios entre os concorrentes, como possibilidade de acesso de todos e quaisquer agentes econômicos capacitados ao certame. No sistema constitucional brasileiro, a licitação, portanto, é a regra e a dispensa de licitação é a exceção.

Empresas e investidores, nacionais ou estrangeiros, que adquiriram, depois do golpe de 2016, recursos do povo brasileiro estão cometendo um crime. Os preços pagos são incompatíveis com o mercado e a situação institucional e política não é exatamente daquelas que inspiram confiança, muito menos certeza.

O que está ocorrendo com ativos da Petrobrás e outros bens estatais estratégicos deve ser equiparado ao crime de receptação. Afinal, um bem público foi subtraído do patrimônio público de forma ilegal, pois a venda ocorreu sem licitação, e vendido a preço vil. A empresa compradora obviamente sabe o que está adquirindo e a que preço. Não há nenhum terceiro de boa-fé envolvido neste tipo de negócio. Ou seja, todas as vendas de ativos da Petrobrás que foram realizadas nos últimos tempos sem licitação são nulas.

FAKE #10 – A Petrobrás deve atender aos interesses dos seus acionistas minoritários

As empresas estatais passaram a atuar nas bolsas de valores, incentivadas pelo governo, especialmente após 1976, com a promulgação da Lei nº 6.385, de 7 de dezembro de 1976, que reforma a legislação sobre mercado de capitais e cria a Comissão de Valores Mobiliários (CVM), e da Lei nº 6.404/1976, a lei das sociedades anônimas. Não por acaso, seus papéis respondem ainda pela maior parte das operações realizadas na bolsa, refletindo a ideia de uma gestão "empresarial" que busca maximizar o lucro na empresa estatal.

No entanto, o objetivo essencial das sociedades de economia mista, como a Petrobrás, não é a obtenção de lucro, mas a implementação de políticas públicas. O que legitima a ação do Estado como empresário (a iniciativa econômica pública do artigo 173 da Constituição de 1988) é a produção de bens e serviços que não podem ser obtidos de forma eficiente e justa no regime da exploração econômica privada.

Não há nenhum sentido em o Estado procurar receitas por meio da exploração direta da atividade econômica. A esfera de atuação das sociedades de economia mista é a dos objetivos da política econômica, de estruturação de finalidades maiores, cuja instituição e funcionamento ultrapassam a racionalidade de um único ator individual (como a própria sociedade ou seus acionistas). A empresa estatal em geral, e a sociedade de economia mista em particular, não tem apenas finalidades microeconômicas, ou seja, estritamente “empresariais”, mas tem essencialmente objetivos macroeconômicos a atingir, como instrumento da atuação econômica do Estado.

Conclusão

Um dos mitos mais presentes no imaginário brasileiro é o mito do Brasil como o país que tem um "encontro marcado com o futuro". Porém, para as elites brasileiras, o futuro só poderia ser a cópia do estilo de vida dos países desenvolvidos, cujo usufruto teria que ser limitado a estas elites, para que não perdessem sua posição de hegemonia oligárquica no sistema. A construção da Nação, assim, nunca foi um projeto das elites, nem a integração da população. O seu objetivo limita-se à sua integração subordinada ao mercado internacional.

O Brasil, em seu processo de formação econômica, sempre oscilou entre duas grandes tendências e a exploração do pré-sal poderia conduzir o país tanto em uma, como em outra direção. Uma é a constituição de um sistema econômico nacional, autônomo, com os centros de decisão econômica internalizados e baseado na expansão do mercado interno, em um processo de desenvolvimento vinculado a reformas estruturais.

Essa alternativa está sendo destruída pelo governo golpista instaurado em 2016. A outra consiste no modelo dependente ou associado, com preponderância das empresas multinacionais e do sistema financeiro internacional, dependente financeira e tecnologicamente e vinculado às oscilações externas da economia mundial.

Caso se confirme a tomada do pré-sal pelas multinacionais petroleiras e o esvaziamento da Petrobrás, estaremos com grandes riscos de sermos apenas mais um fornecedor de óleo cru e de matérias primas, sem qualquer perspectiva de desenvolvimento e de integração social. Seremos apenas mais um Estado rentista, cuja oligarquia vive de parasitar as rendas obtidas com a venda de produtos primários e da superexploração da nossa mão-de-obra.

A destruição da Petrobrás e a entrega do pré-sal interessam a quem? Ao povo brasileiro ou a uma minoria privilegiada que vive de rendas no mercado financeiro? A resposta a essa pergunta é mais do que óbvia e a defesa da Petrobrás e do controle estatal sobre os nossos recursos petrolíferos é fundamental para o futuro do país como Nação livre e soberana.

 

“Parceria estratégica” é novo codinome da privatização

 

Resultado de imagem para plano de negocios petrobras 2018 2022
Pes­quisa re­cente apontou que 70% dos bra­si­leiros são contra a pri­va­ti­zação da Pe­tro­brás, en­quanto 78% são contra o ca­pital es­tran­geiro na com­pa­nhia. (Folha de S.​Paulo, 2018) Talvez por isso a atual di­reção da Pe­tro­bras evite usar a pa­lavra “pri­va­ti­zação”. Sob o eu­fe­mismo “par­ce­rias e de­sin­ves­ti­mentos”, o plano es­tra­té­gico tem a meta de pri­va­tizar US$ 34,7 bi­lhões de ativos da es­tatal entre 2015 e 2018. (Pe­tro­bras, PNG 2017-2021, 2016) (Pe­tro­bras, PNG 2018-2022, 2018)

As pri­va­ti­za­ções têm so­frido ques­ti­o­na­mentos na Jus­tiça e no Tri­bunal de Contas da União (TCU). Em março de 2017, a Pe­tro­bras di­vulgou que “adaptou o seu pro­grama de de­sin­ves­ti­mentos à sis­te­má­tica apro­vada pelo TCU”. A adap­tação teve re­sul­tado sobre as vendas em an­da­mento e não surtiu efeito sobre os pro­jetos cujos con­tratos de compra e venda já ha­viam sido as­si­nados.

A po­sição do TCU é con­tra­di­tória, apesar de apontar os des­vios dos pro­cessos de pri­va­ti­zação em curso per­mitiu que aqueles em fase avan­çada fossem con­cluídos sem ne­nhum re­paro. Do mesmo modo, o TCU e os vá­rios ór­gãos de con­trole se omitem em re­lação à po­lí­tica de subs­ti­tuição do mo­no­pólio es­tatal da Pe­tro­bras por mo­no­pó­lios pri­vados, o que é ab­so­lu­ta­mente ve­dado pela Cons­ti­tuição, em seus ar­tigos 170 e 173, §4º. E, na me­dida em que a Pe­tro­bras vem sendo fa­tiada, os agentes econô­micos pri­vados tendem a buscar o lucro má­ximo por ne­gócio, ma­jo­rando os custos ao con­su­midor, o que res­tringe ainda mais o já pífio cres­ci­mento do mer­cado in­terno.

Dos pro­jetos que pu­deram ser con­cluídos, des­ta­camos a venda de 90% da par­ti­ci­pação aci­o­nária na Nova Trans­por­ta­dora do Su­deste (NTS), da Pe­troquí­mica Suape e Ci­tepe e da Li­quigás, esta úl­tima re­cen­te­mente im­pe­dida pelo CADE (Con­selho Ad­mi­nis­tra­tivo de De­fesa Econô­mica).

Dos pro­jetos de pri­va­ti­zação en­cer­rados e que foram des­ti­nados à re­a­va­li­ação para compor a nova car­teira, des­ta­camos a cessão dos di­reitos de campos ter­res­tres, de con­ces­sões em águas rasas nos es­tados de Ser­gipe e Ceará, nos campos de Baúna e Tar­ta­ruga Verde e a ali­e­nação de par­ti­ci­pação aci­o­nária da BR Dis­tri­bui­dora que re­cen­te­mente foi con­cluída por meio de oferta pú­blica de ações.

O co­mu­ni­cado da Pe­tro­bras sobre a ade­quação à sis­te­má­tica exi­gida pelo TCU re­gistra, em nota, que “não in­clui par­ce­rias es­tra­té­gicas”. (Pe­tro­bras, Adap­tamos nosso Pro­grama de De­sin­ves­ti­mentos à Sis­te­má­tica apro­vada pelo TCU, 2017)

“Par­ce­rias es­tra­té­gicas”

Di­ante das res­tri­ções para ace­le­ração das pri­va­ti­za­ções de­cor­rentes da sis­te­má­tica exi­gida pelo TCU a alta di­reção da Pe­tro­bras passou a formar es­tra­té­gicas par­ce­rias.

Por meio da par­ceria com a fran­cesa Total vendeu 22,5% (do total de 65% que possui) da con­cessão de Iara e outra de 35% (dos 45% que possui) no campo de Lapa. Em fato re­le­vante a Pe­tro­bras in­forma que o acordo en­volve US$ 2,2 bi­lhões. Em en­tre­vista co­le­tiva Pedro Pa­rente ex­plica “Con­ver­samos com a área téc­nica do TCU e trata-se de par­ceria es­tra­té­gica e não de­sin­ves­ti­mento”. (Valor, 2016)

Fi­camos assim: de­sin­ves­ti­mento não é pri­va­ti­zação e par­ceria es­tra­té­gica não é de­sin­ves­ti­mento? É evi­dente que o re­sul­tado da par­ceria é a pri­va­ti­zação sem res­peitar as re­gras es­ta­be­le­cidas com o TCU.

Para o Chairman e CEO da Total, Pa­trick Pouyanné, “com a con­cre­ti­zação da Ali­ança Es­tra­té­gica com a Pe­tro­bras, que acon­tece após a re­cente de­cisão de in­ves­ti­mento para o de­sen­vol­vi­mento em larga es­cala do campo gi­gante de Libra, ope­rado pela Pe­tro­bras e no qual a Total é par­ceira, a Total con­so­lida sua pre­sença no Brasil, em uma das ba­cias mais pro­lí­feras do mundo, tendo como di­fe­ren­cial a sua ex­per­tise em águas pro­fundas. Es­tamos par­ti­cu­lar­mente sa­tis­feitos por sermos a pri­meira major a operar um campo em pro­dução no pré-sal bra­si­leiro”.

Pouyanné de­clarou também: “pre­ten­demos con­ti­nuar for­ta­le­cendo a nossa Ali­ança Es­tra­té­gica com a Pe­tro­bras através do com­pro­misso de in­ten­si­ficar a nossa co­o­pe­ração téc­nica em ope­ra­ções, pes­quisa e tec­no­logia, e de­sen­volver novas si­ner­gias entre as duas em­presas”. (Pe­tro­bras, Pe­tro­bras e Total con­cluem a cessão de di­reitos das con­ces­sões de Lapa e Iara, como parte de sua Ali­ança Es­tra­té­gica, 2018)

Em se­tembro de 2017, a Pe­tro­bras e a chi­nesa CNPC fir­maram Me­mo­rando de En­ten­di­mento para ini­ciar tra­ta­tivas re­fe­rentes a uma par­ceria es­tra­té­gica. (Pe­tro­bras, Pe­tro­bras e CNPC formam Ali­ança Es­tra­té­gica abran­gente, 2017)

Em ou­tubro de 2017, a Pe­tro­bras as­sinou uma carta de in­ten­ções com a in­glesa BP para iden­ti­ficar e ava­liar con­jun­ta­mente opor­tu­ni­dades de ne­gócio, en­vol­vendo ativos ou em­pre­en­di­mentos no Brasil e no ex­te­rior. O do­cu­mento prevê co­o­pe­ração nas áreas de ex­plo­ração & pro­dução, re­fino, trans­porte e co­mer­ci­a­li­zação de gás, GNL, tra­ding de pe­tróleo, lu­bri­fi­cantes, com­bus­tível de avi­ação, ge­ração e dis­tri­buição de energia, re­no­vá­veis, tec­no­logia e ini­ci­a­tivas de baixa emissão de car­bono, vi­sando o de­sen­vol­vi­mento de uma po­ten­cial ali­ança es­tra­té­gica entre as com­pa­nhias. (Pe­tro­bras, Pe­tro­bras inicia ne­go­ci­ação com a BP para ali­ança es­tra­té­gica, 2017)

Em de­zembro foi a vez de a norte-ame­ri­cana Ex­xon­Mobil, com o qual a Pe­tro­bras firmou con­sórcio para ex­plo­ração de seis blocos offshore na Bacia de Campos. (Pe­tro­bras, Pe­tro­bras e Ex­xon­Mobil formam Ali­ança Es­tra­té­gica, 2017)

Ainda em de­zembro de 2017, Pe­tro­bras e Sta­toil as­sinam con­tratos re­la­ci­o­nados à par­ceria es­tra­té­gica. Acordo en­volve cessão de 25% da par­ti­ci­pação da Pe­tro­bras no campo de Ron­cador, pelo valor total de US$ 2,9 bi­lhões. (Pe­tro­bras, Acordo en­volve cessão de 25% da par­ti­ci­pação da Pe­tro­bras no campo de Ron­cador, pelo valor total de US$ 2,9 bi­lhões, 2017)

Até o mo­mento foram fir­mados me­mo­randos, acordos e con­tratos sob a ban­deira das “par­ce­rias es­tra­té­gicas” com cinco mul­ti­na­ci­o­nais, a fran­cesa Total, a chi­nesa CNPC, a in­glesa BP, a es­ta­du­ni­dense Ex­xon­Mobil e a no­ru­e­guesa Sta­toil. As par­ce­rias per­mitem a pri­va­ti­zação dos ativos in­dus­triais e das con­ces­sões de pe­tróleo e gás da Pe­tro­bras, sem se­guir o re­gra­mento acor­dado com o TCU e des­cum­prindo a le­gis­lação bra­si­leira.

Con­clusão

Es­tamos di­ante de uma po­lí­tica de­li­be­rada da atual di­reção da Pe­tro­bras de vi­olar a le­gis­lação exis­tente sobre venda de ativos de em­presas es­ta­tais. Essas “par­ce­rias es­tra­té­gicas” com ali­e­nação de ativos da Pe­tro­bras são ju­ri­di­ca­mente nulas, dada a au­sência de li­ci­tação pú­blica, como de­ter­mina o Plano Na­ci­onal de De­ses­ta­ti­zação e o ar­tigo 29 da Lei 13.303/2016, que não in­clui venda de ativos de so­ci­e­dade de eco­nomia mista como caso para dis­pensa de li­ci­tação pú­blica.

A le­ga­li­dade, a iso­nomia e a im­pes­so­a­li­dade são os prin­cí­pios es­tru­tu­rantes de qual­quer li­ci­tação pú­blica. Não apenas a Cons­ti­tuição (ar­tigo 37), mas a le­gis­lação es­pe­cí­fica rei­tera estes prin­cí­pios, como a Lei nº 8.666/1993, dentre ou­tras. A im­pes­so­a­li­dade de­ter­mina, entre ou­tros de­veres, o de que a Ad­mi­nis­tração Pú­blica es­teja proi­bida ex­pres­sa­mente de dis­cri­minar quem quer que seja sem fun­da­mento legal, ou seja, todos devem ser tra­tados igual­mente pe­rante a Ad­mi­nis­tração.

Do mesmo modo, a le­gis­lação é ex­plí­cita ao vedar qual­quer tipo de pre­fe­rência ou dis­tinção sem fun­da­mento no or­de­na­mento ju­rí­dico, vi­sando frus­trar jus­ta­mente o ca­ráter com­pe­ti­tivo do pro­ce­di­mento li­ci­ta­tório. Afinal, o fun­da­mento da ideia de li­ci­tação é o da com­pe­tição, sem pri­vi­lé­gios entre os con­cor­rentes. No sis­tema cons­ti­tu­ci­onal bra­si­leiro, a li­ci­tação é a regra e a dis­pensa de li­ci­tação é a ex­ceção.

O pres­su­posto da li­ci­tação é jus­ta­mente a com­pe­tição, como pos­si­bi­li­dade de acesso de todos e quais­quer agentes econô­micos ca­pa­ci­tados. E isto vem sendo rei­te­ra­da­mente vi­o­lado com a atu­ação da Pe­tro­bras nas “par­ce­rias es­tra­té­gicas”, nas quais a di­reção da es­tatal sim­ples­mente es­colhe di­re­ta­mente com quem vai es­ta­be­lecer a par­ceria, por­tanto, di­rige a venda de seus ativos para um com­prador já pre­vi­a­mente de­ter­mi­nado.

Sob a Cons­ti­tuição de 1988, as em­presas es­ta­tais, como a so­ci­e­dade de eco­nomia mista Pe­tro­bras, estão su­bor­di­nadas às fi­na­li­dades do Es­tado. A le­gi­ti­mação cons­ti­tu­ci­onal, no caso bra­si­leiro, desta ini­ci­a­tiva econô­mica pú­blica, da qual as so­ci­e­dades de eco­nomia mista cons­ti­tuem exem­plos, se dá pelo cum­pri­mento dos re­qui­sitos cons­ti­tu­ci­o­nais e le­gais fi­xados para a sua atu­ação.

Os ob­je­tivos das em­presas es­ta­tais estão fi­xados por lei, não po­dendo furtar-se a estes ob­je­tivos. Devem cumpri-los, sob pena de desvio de fi­na­li­dade. Para isto foram cri­adas e são man­tidas pelo Poder Pú­blico.

A so­ci­e­dade de eco­nomia mista é um ins­tru­mento de atu­ação do Es­tado, de­vendo estar acima, por­tanto, dos in­te­resses pri­vados. A Lei das S.A. (Lei nº 6.404/1976) se aplica às so­ci­e­dades de eco­nomia mista, desde que seja pre­ser­vado o in­te­resse pú­blico que jus­ti­fica sua cri­ação e atu­ação (ar­tigo 235). O seu ar­tigo 238 também de­ter­mina que a fi­na­li­dade da so­ci­e­dade de eco­nomia mista é atender ao in­te­resse pú­blico, que mo­tivou sua cri­ação.

A so­ci­e­dade de eco­nomia mista está vin­cu­lada aos fins da lei que au­to­riza a sua ins­ti­tuição, que de­ter­mina o seu ob­jeto so­cial e des­tina uma par­cela do pa­trimônio pú­blico para aquele fim. Não pode, por­tanto, a so­ci­e­dade de eco­nomia mista, por sua pró­pria von­tade, uti­lizar o pa­trimônio pú­blico para atender fi­na­li­dade di­versa da pre­vista em lei, con­forme ex­pressa o ar­tigo 237 da Lei das S.A.

O ob­je­tivo es­sen­cial das so­ci­e­dades de eco­nomia mista não é a ob­tenção de lucro, mas a im­ple­men­tação de po­lí­ticas pú­blicas. A es­fera de atu­ação das so­ci­e­dades de eco­nomia mista é a dos ob­je­tivos da po­lí­tica econô­mica, de es­tru­tu­ração de fi­na­li­dades mai­ores, cuja ins­ti­tuição e fun­ci­o­na­mento ul­tra­passam a ra­ci­o­na­li­dade de um único ator in­di­vi­dual (como a pró­pria so­ci­e­dade ou seus aci­o­nistas).

A em­presa es­tatal em geral, e a so­ci­e­dade de eco­nomia mista em par­ti­cular, não tem apenas fi­na­li­dades mi­cro­e­conô­micas, ou seja, es­tri­ta­mente “em­pre­sa­riais”, mas tem es­sen­ci­al­mente ob­je­tivos ma­cro­e­conô­micos a atingir, como ins­tru­mento da atu­ação econô­mica do Es­tado.

Por­tanto, fica evi­dente que as so­ci­e­dades de eco­nomia mista, como a Pe­tro­bras, estão cons­ti­tu­ci­onal e le­gal­mente vin­cu­ladas aos fins de­fi­nidos nas suas leis ins­ti­tui­doras, não ha­vendo pos­si­bi­li­dade ju­rí­dica de uti­li­zarem o seu pa­trimônio, por sua pró­pria von­tade ou do go­ver­nante de plantão, para atender a ou­tras fi­na­li­dades, com­pro­me­tendo, in­clu­sive, a sua pró­pria con­ti­nui­dade e atu­ação como ente da Ad­mi­nis­tração Pú­blica In­di­reta do Es­tado.

As cha­madas “par­ce­rias es­tra­té­gicas” não passam de uma forma de burlar as con­di­ci­o­nantes cons­ti­tu­ci­o­nais e le­gais de atu­ação da Pe­tro­bras, pri­vi­le­gi­ando de­ter­mi­nados agentes econô­micos pri­vados, ge­ral­mente es­tran­geiros, es­co­lhidos a dedo, sem ne­nhuma forma de con­cor­rência pú­blica, em clara vi­o­lação às de­ter­mi­na­ções im­postas pelos ór­gãos de con­trole da Ad­mi­nis­tração, como o TCU.

A partir de 1º de ja­neiro de 2019, o novo pre­si­dente eleito pre­cisa re­vogar todas as me­didas pri­va­tistas e an­ti­na­ci­o­nais que estão sendo to­madas por Mi­chel Temer e a atual di­reção da Pe­tro­bras. As mul­ti­na­ci­o­nais es­tran­geiras que se be­ne­fi­ciam desta ali­e­nação devem ser tra­tadas como re­cep­ta­doras de bens ven­didos de forma ilegal e o pa­trimônio es­tatal de­vi­da­mente re­cu­pe­rado para o bem de todos os bra­si­leiros.


Gil­berto Ber­co­vici é Pro­fessor Ti­tular de Di­reito Econô­mico e Eco­nomia Po­lí­tica da Fa­cul­dade de Di­reito da Uni­ver­si­dade de São Paulo.

Fe­lipe Cou­tinho é En­ge­nheiro Quí­mico e Pre­si­dente da As­so­ci­ação dos En­ge­nheiros da Pe­tro­brás (AEPET).

Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.

Relacionados