0
0
0
s2sdefault

eua estatua arma.gifA conversão do direito internacional em letra morta foi mais um presente de Tio Sam a seu bom sobrinho Uribe, que não foi condenado pela OEA.

0
0
0
s2sdefault
eua estatua arma.gifEmbora os pré-candidatos do Partido Republicano defendam a guerra do Iraque e os democratas a ataquem vigorosamente, as posições deles divergem muito mais nas palavras do que na realidade.

 

0
0
0
s2sdefault

BushCom os 50 mil soldados nas bases, Washington teria força para garantir os contratos petrolíferos e também enquadrar o governo do Iraque. E assim o país poderá se tornar um protetorado dos EUA.

0
0
0
s2sdefault

eua bush torre arma.gifDominando o Irã, diretamente ou através de um governo títere, os Estados Unidos terão todas as condições para conter as ambições da China e da Índia.

0
0
0
s2sdefault

eua bandeira costela.gifNesse quarto e último da série de artigos sobre as posições em política internacional dos candidatos à Casa Branca, o colunista aborda a América Latina.

0
0
0
s2sdefault

eua bandeira costela.gifComeçamos hoje a publicar uma série de artigos analisando as posições dos principais candidatos à sucessão de Bush em matéria de política externa. O primeiro foca a Palestina. Luiz Eça.

0
0
0
s2sdefault
ArgentinaO governo Kirchner foi tão independente, desenvolvimentista e favorável aos pobres quanto é o de Chávez. E sem todo aquele petróleo.
0
0
0
s2sdefault
IdéiasNão bastasse Chávez, Kirchner e Evo Morales, surge mais um presidente latino-americano atormentando Bush.
0
0
0
s2sdefault

eua estatua arma.gifNesse terceiro de uma série de artigos sobre as posições em política internacional dos candidatos à Casa Branca, o colunista aposta na maior serenidade de Obama

0
0
0
s2sdefault

América LatinaCristina Kirchner, por exemplo, mostrou logo quem era ao acusar os Estados Unidos de responsável pelos problemas do Mercosul.

0
0
0
s2sdefault
EuaBush não tem por norma desagradar leais seguidores, especialmente quando também financiadores.
0
0
0
s2sdefault

bushnero.jpgSarkozy rejeitou expressamente a postura crítica do seu antecessor, Jacques Chirac. Agora a palavra de ordem é “Aliança com os Estados Unidos, não alinhamento”.