0
0
0
s2sdefault

homem_andando_corda.jpgObama visa conquistar a opinião do povo israelense, dos políticos dos Estados Unidos e dos judeus americanos. Joga com a pressão desses públicos para conduzir Netanyahu a fazer concessões pelo menos razoáveis. Começa a ter êxito.

0
0
0
s2sdefault

ft_barack_obama2.jpgSegundo de dois artigos sobre o início da ‘nova política externa’ americana na América Latina e no Oriente Médio.

0
0
0
s2sdefault

obama_bottom.jpgSerá inevitável um enfrentamento com os “lobbies pró-Israel” e parte dos congressistas. Mas ele não pode menosprezar seu exército de 13 milhões de militantes.

 
0
0
0
s2sdefault

bandeira_hamas.jpgO que fará Obama? Se persistir em ignorar o Hamas estará dando força a quem não quer nenhuma solução aceitável para o problema. A Israel.

0
0
0
s2sdefault

eua_dragao_garfo.jpgNão se pode ignorar a inusitada participação do poder militar no processo político, pressionando e conseguindo, pelo menos em parte, fazer Obama dar um passo atrás.

0
0
0
s2sdefault

ft_barack_obama.jpgPrimeiro de dois artigos sobre o início da ‘nova política externa’ americana na América Latina e no Oriente Médio.

0
0
0
s2sdefault

foto_hugo_chavez.jpgVemos que em condições normais a Venezuela traria grandes vantagens econômicas ao Brasil, esquecendo um pouco nossos interesses particulares, é inegável que o ingresso de um país com 30 milhões de habitantes e uma das maiores reservas petrolíferas do mundo só pode tornar o Mercosul mais forte.

0
0
0
s2sdefault

faixadegaza.jpgAs sanções de Israel constituem crime de guerra pela IV Convenção de Genebra. De pouco adianta. Nenhum governo do ocidente terá coragem de levar os culpados ao banco dos réus.

0
0
0
s2sdefault

bushnero.jpgFechar a passagem dos talibãs afegãos para o Paquistão e reprimir o crescimento dos seus aliados, os movimentos islâmicos terroristas, torna-se absolutamente imperativo.

0
0
0
s2sdefault

tanquedeguerra.jpgComo um narcotraficante poderia estar tão próximo do exército americano e gozar de sua confiança? Respostas podem ser encontradas na história recente do Afeganistão.

0
0
0
s2sdefault

bandeira_israel.jpgIsrael acaba de eleger o parlamento mais direitista e agressivo de sua história. Basta dizer que todos os deputados pacifistas eleitos somaram apenas 8% dos votos.

0
0
0
s2sdefault

ft_barack_obama2.jpgObama não nomeou para as áreas de política externa e da segurança nacional  é muito curioso um presidente convidar para altas posições no seu governo justamente quem não concorda com ele.