Quem tem medo de Eduardo Cunha?

0
0
0
s2sdefault

 

 

 

 

Bastou chegar à Câmara dos Deputados a notícia de que Eduardo Cunha tinha, afinal, sido preso, para a sessão de ontem ser imediatamente suspensa, às 15h, em plena quarta-feira.

 

Foi um Deus nos acuda! Ou melhor, aqueles que têm rabo preso saíram às pressas em busca de notícias e orientações de como evitar um tsunami político: a delação premiada do ex-todo poderoso presidente Câmara (o tsunami financeiro já foi desencadeado: a delação premiada dos réus da Odebrecht).

 

Ninguém ignora que Eduardo Cunha sabe muito. Como o mágico do teatro de bonecos, ele trazia em mãos os fios que manipulavam os movimentos de inúmeros aliados. Preso o mágico – até porque o feitiço se virou contra o feiticeiro -, os fios estão soltos e, os bonecos, enlouquecidos.

 

Operação Lava Jato, fim do financiamento de campanhas políticas por empresas e bancos, delações premiadas, escutas secretas, grampos telefônicos, convênios da Justiça brasileira com bancos estrangeiros que escondem dinheiro de brasileiros – está cada vez mais difícil ser político no Brasil “à moda tradicional”.

 

Ou seja, um acerto entre senhores da Casa Grande, enquanto o povão vota acreditando que a sua vida haverá de melhorar, assim como os escravos, empanturrados de manga, deixavam de beber leite temendo morrer...

 

 

Frei Betto é escritor, autor de “Calendário do Poder” (Rocco), entre outros livros.

 

Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.

Relacionados