Trabalhadores paralisam atividades contra reforma da previdência

0
0
0
s2sdefault

Inúmeras categorias de servidores públicos e trabalhadores da iniciativa privada vão paralisar suas atividades por 24 horas nesta quarta-feira (15 de março), em protesto contra a proposta de reforma previdenciária elaborada pelo governo Temer (PMDB), que impõe, como condições para a concessão da aposentadoria a homens e mulheres, a idade mínima de 65 anos e 49 anos de contribuição.

Em outras capitais, paralisações semelhantes e atos públicos serão realizados, como parte do Dia Nacional de Lutas e Paralisações contra a reforma previdenciária, convocado por centrais sindicais (CUT, CSP Conlutas, Força Sindical e CTB), federações e sindicatos de trabalhadores e servidores de todo o país.

No Rio de Janeiro, o ato unificado será na Candelária, a partir das 17h, de onde servidores e trabalhadores da iniciativa privada seguirão em passeata até a Central do Brasil. Um pouco antes, às 15h, servidores do INSS se concentrarão em frente à Gerência Executiva Centro (rua Pedro Lessa) e servidores da saúde estarão no Largo da Carioca.

As categorias profissionais que já confirmaram paralisação nesta quarta são: educação, servidores da UFRJ, moedeiros, saúde estadual, justiça, servidores do Colégio Pedro II, servidores da Universidade Federal Rural, docentes do Cefet-RJ, docentes e técnicos da UFRJ e Portuários, entre outros.

Além das categorias profissionais, estudantes de escolas públicas e particulares do Rio de Janeiro vão paralisar suas atividades em solidariedade aos trabalhadores. Já estão confirmadas paralisações nas seguintes escolas: Oga Mitá, Sá Pereira, Escola Parque (Barra/Gávea), Companhia de Maria, Ceat, Andrews, Eden, Colégio São Vicente, Colégio Teresiano, Santa Teresinha de Jesus.

Fonte: Sinsprev-RJ.

Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.

Relacionados