Carta aberta à sociedade: por que o MST ocupa a fazenda de Temer?

0
0
0
s2sdefault

Resultado de imagem para mst ocupa fazenda temer
A direção do MST lançou uma carta explicando por que é necessária a destinação da fazenda Esmeralda para fins de Reforma Agrária. Como objeto de corrupção, a fazenda foi denunciada pelo MST numa primeira ocupação em 2016. Desde então já foram três ocupações. No último dia 7/03, 350 famílias ocuparam novamente as terras que ficam no município de Duartina, no interior de SP e permanecem no acampamento resistindo a ameaças de despejo.

Confira o documento emitido pelo Movimento:
 
Reforma Agrária nas terras dos corruptos!
 
O MST ocupa pela terceira vez a Fazenda Esmeralda, entre os municípios de Lucianópolis e Duartina-SP, desde a manhã da última quarta-feira (7). A Fazenda Esmeralda é registrada como propriedade da empresa Argeplan, do ex-assessor e amigo pessoal de Temer, o Coronel Lima, mas na região até as pedras sabem que a área na verdade é de Temer.

Temer e Lima são cúmplices de longa data, na década de 1990 a Argeplan arcou com cerca de 40% do valor da campanha de Temer a deputado federal, e o patrimônio de ambos cresceu estrondosamente desde que se conheceram. O patrimônio em imóveis do Coronel Lima é orçado em 15 milhões de reais, sendo 13 milhões apenas em imóveis rurais na cidade de Duartina, em grande maioria adquiridos a partir do ano 2000. Temer, por sua vez, triplicou seu patrimônio entre 2006 e 2010, segundo apurações do TSE.
 
Desde 1995 Temer, Lima e a Argeplan estão relacionados em inquéritos e processos que investigavam o pagamento de propina em obras realizadas nas docas do porto de Santos. Além disso, eles também aparecem, junto com a empresa AF Consult de Lima, em investigações sobre a obra da usina Angra 3, na qual pelo menos 1% do valor do contrato era propina para Temer e Lima, este último foi o interlocutor do esquema de corrupção.

Também delações da JBS apontam o acerto de 15 milhões de reais com o PMDB em troca de favorecimentos, sendo 1 milhão destinados pessoalmente para Michel Temer. Mais uma vez, o Coronel Lima aparece como mediador do pagamento. Na Operação Patmos, deflagrada em 2017, a PF fez buscas no escritório da Argeplan, em São Paulo, e foram apreendidos documentos que comprovam a ligação da empresa com Maristela, filha de Temer.

Recentemente, as delações da J&F no âmbito do inquérito que investiga a MP dos Portos, reafirmam que Lima é testa de ferro de Temer, a quem a Fazenda Esmeralda realmente pertence. A propriedade foi adquirida pelo Coronel em 1986 e avaliada em 10 milhões de reais, ou seja, incompatível com seus rendimentos na época.

O delegado da polícia federal que cuida do caso, Cleyber Lopes, cobrou agilidade do Ministério Público Federal no processo de quebra dos sigilos bancários e fiscais dos envolvidos, a fim de esclarecer o que considera notoriamente atos de corrupção ativa/passiva e lavagem de dinheiro. Defendemos que Temer deve ser investigado! Isso é um direito do povo brasileiro.

O MST exige que as terras com indícios de corrupção sejam investigadas e destinadas à Reforma Agrária. A corrupção é a apropriação privada dos recursos públicos, e o dinheiro roubado do povo vem sendo utilizado na compra de fazendas para lavagem ilícita.

O presidente golpista não só permite a corrupção, como ele próprio é o chefe da quadrilha que atuou no porto de Santos, em Angra 3 e na fazenda Esmeralda. Temer destruiu as políticas públicas para os assentamentos, está privatizando a Reforma Agrária através do incentivo à venda de lotes e assentou 0 (zero) famílias em 2017.

Por isso seguimos resistindo na fazenda Esmeralda e exigimos Reforma Agrária Já.

DIREÇÃO ESTADUAL MST/SP.
 
 

Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.

Relacionados