A esquerda do “porque sim”

0
0
0
s2sdefault

Resultado de imagem para lula carregado
A busca pelas possíveis causas de nossa imensa derrota certamente terá que passar por entender a “psicologia das massas”.

Nessa direção, uma entrevista de Clarisse Gurgel para a Carta Capital, ainda em 2017, fornece pistas importantes.

Formada em Artes Cênicas e doutora em Ciência Política pela UERJ, Clarisse diz que um grande problema de nossa esquerda é a utilização da “ação performática” como “tática preferencial”.

E o que seria isso? Basicamente, diz ela:

... é você simular que está sendo espontâneo e atuar de forma efêmera, ou seja, sem continuidade. É priorizar eventos, como atos, marchas, passeatas, abraços a monumentos etc.

O problema, continua Clarisse, é que:

Quando a esquerda parte da ação da rua, ela está invertendo o processo. Ir para a rua é o ápice. A esquerda precisa recuperar a ação que fazia nos locais de trabalho, nas associações de moradores, nos núcleos partidários, nos movimentos sociais.

Além disso, a arena da ação performática seria aquela em que os conservadores mais se sentem à vontade. Encontram nela condições ideais para fazer valer o “significante mestre” de sua preferência.

Significante mestre, explica, é qualquer declaração que tenha o efeito de uma mãe dizer a uma criança: “é porque é”.

Por exemplo, a afirmação “não queremos que o Brasil se torne uma Venezuela” ganha caráter de grave ameaça devido à campanha da grande mídia contra o regime chavista.

Também temos nossos significantes mestres, nossas palavras de ordem. O problema é estarmos reduzidos a eles em um meio hostil a nossos valores.

Dissemos muitos “porque sim” e grande parte da sociedade contestou: “porque sim não é resposta”.

Sergio Domingues é servidor público federal.
Blog: Pílulas Diárias.

Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.

Relacionados