Correio da Cidadania

Exército no Rio: “já beijamos a lona como laboratório de experiências neoliberais”

Gabriel Brito, da Redação
0
0
0
s2sdefault

Ressaca é uma das palavras que define o Rio de Janeiro pós-Olímpico. Falido após anos de isenções bilionárias ao capital privado, agora o estado atrasa salários de servidores e abandona às traças diversos equipamentos públicos essenciais. Rapidamente, insegurança e violência voltaram a ser assunto principal e o governo federal voltou a liberar o uso das Forças Armadas no papel de polícia na cidade. Sobre isso, entrevistamos a historiadora e criminologista Vera Malaguti Batista.

Nesta Edição

Um debate com o MAIS sobre a Venezuela

Luis Leiria e Ana Carvalhaes
0
0
0
s2sdefault

Aprofundemos a análise da realidade do país sem repetir os velhos alinhamentos acríticos.

Brasil, o paraíso dos rentistas

Ana Araujo e José Martins
0
0
0
s2sdefault

Não refrescou nada a redução para 9,5% ao ano da taxa básica nominal de juros, a popular SELIC.

Santiago: mais um desaparecido

Elaine Tavares
0
0
0
s2sdefault

Desaparecido após se solidarizar aos mapuches, pode se tratar do primeiro assassinato político do governo Macri.

Na Saúde Pública, a “pena de morte” continua

Frei Marcos Sassatelli
0
0
0
s2sdefault

O caos generalizado em Goiânia exige fortes enfrentamentos ao poder público.

“Distritão”: apoteose da degradação

Leo Lince
0
0
0
s2sdefault

A proposta beneficia pessoas, fulanos, indivíduos já postos em situação privilegiada. Ou seja, as celebridades mais variadas.

Vote Brasil 2018

Frei Betto
0
0
0
s2sdefault

É um erro jogar nas eleições todas as fichas da nossa esperança em um Brasil melhor. O mais importante é o empoderamento popular.

Brasil – Estados Unidos: otimismo político precipitado da gestão Dilma

Virgílio Arraes
0
0
0
s2sdefault

Com desembaraço, Dilma propôs somar-se aos esforços de Obama com o objetivo de ‘ordem internacional mais pacífica e justa’.

A rua resiste aos sujos!

Anderson Moraes
0
0
0
s2sdefault

Podem ter certeza que uma passeata para nos calar e intimidar é pouco.

A memória da terra: o que o marco temporal não pode apagar

Andressa Lewandowski, Luísa Molina e Marcela Coelho de Souza
0
0
0
s2sdefault

Neste dia 16, o STF julgará ações que podem ser decisivas para o futuro dos povos indígenas e quilombolas no Brasil.

Venezuela: a Assembleia Constituinte madurista

Edgardo Lander
0
0
0
s2sdefault

Não existe razão alguma para ter confiança nos resultados anunciados pelo Conselho Nacional Eleitoral.

Acusações podem criminalizar e derrubar Netanyahu

Luiz Eça
0
0
0
s2sdefault

O jornal Haaretz faz uma descrição das investigações, descritas como “casos 1000, 2000, 3000 e 4000”.

“A era do humanismo está terminando”

Achille Mbembe
0
0
0
s2sdefault

A crescente bifurcação entre a democracia e o capital é a nova ameaça para a civilização.

Que Congresso é esse?

Felipe Feijão
0
0
0
s2sdefault

Nossa estrutura de poderes não permite mais a efetivação de uma vida pública democrática.

O distrital misto é majoritário disfarçado

Léo Lince
0
0
0
s2sdefault

O conservadorismo demanda uma engenharia eleitoral restritiva e, ao mesmo tempo, tem dificuldade de estabelecê-la.

A profanização como método de repressão: história da Boca do Lixo e da “Cracolândia”

Regis Mendes Munhoz
0
0
0
s2sdefault

A Boca do Lixo como tragédia, a Cracolândia como farsa: uma longa história da luta de classes de cada dia.

A realidade desafia a estratégia atual da Petrobras

Cláudio Oliveira e Felipe Coutinho
0
0
0
s2sdefault

Nosso objetivo é debater pública e transparentemente a visão estratégica que conduz o destino da maior empresa do país.

Geografia à venda

Roberto Pereira D’Araujo
0
0
0
s2sdefault

O governo quer vender mais “geografia” ao listar as usinas da Eletrobrás abalroadas pelo tiro no pé da MP 579 de Dilma.

De onde saiu tanto negacionismo?

Alexandre Araújo Costa
0
0
0
s2sdefault

São “mercadores da dúvida”, que repetem estratégias já adotadas outrora pela indústria do tabaco.

A tragédia da Venezuela

Michael Roberts
0
0
0
s2sdefault

Com seu salário mínimo, os venezuelanos podem comprar menos de 1/5 da comida dos colombianos mais pobres.

A Clínica Pública de Psicanálise, ou a psicanálise como canteiro aberto (2)

Daniel Guimarães (texto e fotos)
0
0
0
s2sdefault

Segundo artigo sobre a experiência da clínica que atende gratuitamente em região histórica de São Paulo.

Política

Brasil nas Ruas

Social

Economia

Internacional

Meio Ambiente

Cultura e Esporte